Notícias:
latest

728x90

468x60

CMJP e Assembleia Legislativa podem reabrir discussões sobre denúncias de fraudes da Energisa

Equipe técnica da Energisa
A Câmara de Vereadores de João Pessoa e Assembléia Legislativa da Paraíba vão instalar duas Comissões Parlamentar de Inquérito para investigar o suposto ‘golpe do fio’ preto praticado pela Energisa, empresa que fornece energia elétrica para o Estado. O motivo teria o objetivo de cobrar multa equivalente a R$ 7 mil sob a alegação de que ele estaria cometendo irregularidade ao instalar o famoso gato.

A denúncia partiu do deputado estadual Trócolli Júnior da vereadora Raíssa Lacerda (PSD), em 2013, e chegou a ser investigado pelo Ministério Público da Paraíba que arquivou o processo após um TAC – Termos de Ajustamento de Conduta, documento este que comprova que a Energisa reconheceu sua culpa, resolvendo compensar danos e prejuízos já causados em troca de R$ 800.000,00 (oitocentos mil reais) pagos em suaves parcelas.

Dos recursos da multa, R$ 150 mil foi destinado para a Fundação Escola Superior do Ministério Público; R$ 50 mil para Instituto São José (Hospital Padre Zé) e os outros 600 mil para o Fundo Especial de Defesa do Consumidor do MPPB, divido em 3 parcelas.

Hoje a parlamentar disse que pretende apresentar um requerimento instalando a CPI na Casa.

Em entrevista ao programa 60 Minutos, apresentado pelo jornalista Heron Cid e Anderson Soares, na Rádio Arapuan FM, Raíssa disse que ele levou a denúncia ao Ministério Público após ser procurada por consumidores.

De acordo com Raíssa, se a empresa assinou um termo de culpa, o consumidor lesado deve procurar a justiça para ser ressarcido por causa dos constrangimentos que passaram.

“Acho que a empresa não pode ficar impune. Ninguém paga 800 mil sem assumir erro. Todas as nossas denúncias tinham fundamento”, afirmou.

Também ao programa, o deputado Trócolli Júnior disse que vai se reunir nesta quarta-feira (14) com o Ministério Público para se inteirar do assunto

O deputado não descartou a possibilidade de pedir uma CPI sobre o tema na Assembleia Legislativa da Paraíba.

MaisPB
« Voltar
Próximo »

Nenhum comentário